Campo de Trabalho Internacional intervém no Monumento Natural Local da Ribeira de Anha para travar espécies invasoras

A Câmara Municipal de Viana do Castelo promove entre 31 de agosto e 3 de setembro, um Campo de Trabalho Internacional “que prevê o controlo de espécies exóticas invasoras no Monumento Natural Local da Ribeira de Anha”.

A iniciativa Campo de Trabalho Internacional – Transition Portugal, da Associação Juvenil de Deão (AJD), conta com a colaboração da Câmara Municipal e da Junta de Freguesia de Vila Nova de Anha, envolvendo cerca de 20 voluntários de Portugal, Itália, Brasil e Argentina.

Esta iniciativa “prevê ações de controlo de espécies exóticas com comportamento invasor em prol da promoção da biodiversidade e sustentabilidade dos ecossistemas locais”.

A autarquia informou que a área a intervencionar, o Monumento Natural Local da Ribeira de Anha, “é uma das áreas que irá beneficiar da intervenção financiada pelo POSEUR – Recuperação Ecológica de Áreas Classificadas de Viana do Castelo – no valor aproximado de 500 mil euros, e da intervenção protocolada recentemente com a Junta Regional do Corpo Nacional de Escutas de Viana do Castelo, para o mesmo fim”.

“As intervenções em curso e projetadas garantirão no final de 2021 a costa de Viana do Castelo livre de vegetação exótica, permitindo o recrudescimento da vegetação nativa”, disse a Câmara de Viana.

O Monumento Natural Local da Ribeira de Anha corresponde à área envolvente à foz da ribeira de Anha com cerca de 41 ha.

Esta área apresenta “elevado interesse científico, associado à preservação de importantes indícios geomorfológicos e estratigráficos”.

No geossítio está presente um depósito conglomerático clasto-suportado, que se deduz, pela relação estratigráfica, posição altimétrica e fácies, constituir o resto de uma praia de seixos do último período interglaciar (125 mil anos).

Este é, até ao momento, registo sedimentar único do Eemiano na costa de Viana do Castelo, a sul do rio Lima.

No monumento, o testemunho litostratigráfico em conjunto com as plataformas costeiras do último período interglaciar posicionam-se até cerca de 1 metro abaixo dos mesmos registos verificados a norte do rio Lima.

Neste sentido, estima-se que a atividade inversa da Falha do Lima terá provocado o levantamento do setor norte do concelho nos últimos 125 mil anos a uma taxa média de 0,008 milímetros por ano.

O penúltimo período interglaciar (245 mil anos) está representado no monumento sob a forma de geoformas de dinâmica costeira, nomeadamente sapas e marmitas.

As pias salineiras de idade pré-romana também surgem neste local.

Fonte: Alto Minho TV

Comments closed

Viana do Castelo hasteou hoje 8 bandeiras azuis com praias adaptadas à situação pandémica

O Município de Viana do Castelo ostenta a partir de hoje 8 bandeiras azuis nas praias de Afife, Arda, Paçô, Carreço, Norte, Cabedelo, Amorosa e Castelo do Neiva. O processo de avaliação, mais demorado este ano pela situação pandémica decorrente do COVID-19, envolveu a garantia de situações de detalhe, nomeadamente a existência de salas de isolamento COVID-19 em todas as praias, a sinalética de circulação nos 8 km de rede de passadiços, a limpeza permanente dos sanitários e a regulamentação especial do funcionamento dos concessionários.

Recorde-se que a atribuição de Bandeira Azul implica a garantia de informação e educação ambiental, garantia de qualidade da água, garantia de gestão ambiental sustentável e dos equipamentos e a garantia de segurança balnear.

A costa de Viana do Castelo, com mais de 40 recantos de areia e outras rochas brandas, distribui-se por mais de 24 km. Dotada de 10 troços com qualidade para a prática balnear, as praias de Viana do Castelo são santuários onde a Natureza e a Cultura estão bem conservadas.

Inseridas na Zona Especial de Conservação do Litoral Norte e onde estão classificados 5 dos 13 monumentos naturais de Viana do Castelo, as dez praias têm águas de excelente qualidade e temperatura amena, e são servidas por uma rede de 8 km de passadiços, cuidadosamente mantidos e fundamentais para a garantia das acessibilidades. Estas infraestruturas são essenciais para a proteção dos ecossistemas dunares. A vigilância, assistência e socorro balnear está a cargo da Associação de Nadadores Salvadores Coordenada Decimal, que garante um corpo de 38 nadadores salvadores que opera em conjunto com a Autoridade Marítima, através de 4 viaturas de apoio de assistência à emergência.

Fruto da crise sanitária global provocada pela COVID-19, a Câmara Municipal de Viana do Castelo reforçou os cuidados e a atenção sobre o desenvolvimento da época balnear, tendo sido criados circuitos nos passadiços, protocolada a criação da figura do Assistente de Praia com o Corpo Nacional de Escutas e implementado um sistema que permite a monitorização do estado de repleção dos recipientes de resíduos, e a avaliação da qualidade do serviço dos balneários. Esta rede é de utilização gratuita, assegurando-se a limpeza e higienização, em regime permanente, em todas as praias do concelho de Viana do Castelo.

Foi também desenvolvida a webapp praias.cm-viana-castelo.pt, lançada em junho passado, que disponibiliza informação fundamental, como os pontos de sinistralidade balnear, a lotação da praia e do respetivo parque de estacionamento, os sentidos de circulação nos passadiços, entre outras informações importantes, como os contactos de emergência.

A operação balnear, iniciada em 27 de junho passado e que decorre até 30 de agosto, implicou um investimento direto do orçamento municipal de 403 mil euros.

 

 

Época balnear 2020 em Viana do Castelo

A bela costa de Viana do Castelo, com mais de 40 recantos de areia e outras rochas brandas, distribui-se por mais de 24 km. Dotada de 10 troços com qualidade para a prática balnear, as praias de Viana do Castelo são santuários onde a Natureza e a Cultura estão bem conservadas e se expõem plenamente aos sentidos de quem nelas se permite imergir. Inseridas na Zona Especial de Conservação do Litoral Norte e onde estão classificados 5 dos 13 monumentos naturais de Viana do Castelo, as 10 praias têm águas de excelente qualidade e temperatura amena, e são servidas por uma rede de 8 km de passadiços, cuidadosamente mantidos e fundamentais para a garantia das acessibilidades. Estas infraestruturas são essenciais para a proteção dos ecossistemas dunares. A vigilância, assistência e socorro balnear são garantidos por um corpo de 38 nadadores salvadores que operam em conjunto com a Autoridade Marítima, através de 4 viaturas de apoio de assistência à emergência. Os apoios mínimos e de apoio à prática desportiva constituem uma rede infraestrutural em crescimento, que acompanha o franco desenvolvimento do projeto de Viana Cidade Náutica do Atlântico, o que tem contribuído para o esbater da sazonalidade, fenómeno cada vez mais consolidado no tempo.Em 2020 e fruto da crise sanitária global provocada pela COVID-19, reforçámos os cuidados e a atenção sobre o desenvolvimento da época balnear. Criámos circuitos nos passadiços, protocolámos a criação da figura do Assistente de Praia com o Corpo Nacional de Escutas e implementámos um sistema que permite a monitorização do estado de repleção dos recipientes de resíduos, e a avaliação da qualidade do serviço dos balneários. Esta rede é de utilização gratuita assegurando-se a limpeza e higienização, em regime permanente.E porque acreditamos que a excelência na prestação de serviço público surge do empenhamento individual e coletivo, por via da corresponsabilização dos vários atores sociais – institucionais e munícipes -, desenvolvemos a webapp praias.cm-viana-castelo.pt, lançada em junho passado, que disponibiliza informação fundamental como os pontos de sinistralidade balnear, a lotação da praia e do respetivo parque de estacionamento, os sentidos de circulação nos passadiços, entre outras informações importantes, como os contactos de emergência.Nos dias em que decida não ser prudente usufruir da praia ou porque, simplesmente, não lhe apetece ou porque a hora não é a mais adequada, deixe-se ir à aventura e conheça os nossos outros encantamentos: a Cidade com mais de 762 anos de História; o rio Lima de plácida beleza (das margens ou de uma canoa); as montanhas que peculiarmente se agigantam sobre o Atlântico e tocam os 800 metros de altitude, conservando turfeiras milenares; ou o nosso céu escuro, estrelado, por onde se guiaram os mareantes que, do Foral de D. Afonso III, nos trouxeram dos primórdios de Viana da Foz do Lima.

Publicado por Câmara Municipal de Viana do Castelo em Segunda-feira, 17 de agosto de 2020

 

Comments closed

21 empresas e associações apadrinham Áreas Classificadas do concelho de Viana do Castelo

No âmbito da responsabilidade ambiental, 18 empresas e 3 associações de Viana do Castelo assinaram com a Câmara Municipal protocolos de cooperação para a manutenção e a reabilitação ecológica de Áreas Classificadas do concelho de Viana do Castelo.

Os protocolos têm por objetivo a reabilitação ecológica de áreas classificadas do concelho de Viana do Castelo, em especial os 13 monumentos naturais, através da realização de ações de erradicação e controlo dos agentes bióticos invasores identificados, garantindo o sucesso do crescimento vegetativo das espécies nativas instaladas.

As ações a realizar pelas entidades parceiras – Amavical – Soluções Industriais, Baltor, Beachbowling, BMVIV, BorgWarner, Darque Kayak Clube, Descubra Minho, El.pe – Elisa Pereira e Freitas Lda., ELSPEC, Empresa Dima- Equipamentos Indutriais Lda, Empresa Tobor- Acessórios para a Indústria Lda, Extinsegur, GARANTFREQUÊNCIA LDA, Misturacor, Moviglobal, Nortaluga, Painhas PAGROUP, Sambiental, Surf Clube de Viana, Triauto, Viana Remadores do Lima – irão contemplar a erradicação de invasoras, plantação de espécies autóctones, limpeza de vegetação, limpeza de resíduos e monitorização da área adotada quanto ao crescimento vegetativo e à sinalética de interpretação, apoio e visitação.

No seguimento da implementação da Estratégia Municipal para a Conservação da Natureza, Viana do Castelo dispõe, neste momento, de cerca de 9.000 hectares de áreas classificadas, zonas que preservam valor científico para a biodiversidade (3 sítios de importância comunitária da Rede Natura2000) e para a geodiversidade (13 monumentos naturais). Viana do Castelo é o único concelho do país com a tarefa de inventário, caraterização e classificação de sítios naturais devidamente concluída.

Tendo em conta que as áreas classificadas detêm, para além do valor científico, valor turístico e educativo, a recuperação ecológica destes espaços, nomeadamente no que respeita à erradicação e controlo da vegetação exótica com comportamento invasor é fundamental.

A Câmara Municipal tem em curso uma empreitada financiada pelo POSEUR no valor de mais de meio milhão de euros para a recuperação ecológica de 5 monumentos naturais – Pavimentos Graníticos da Gatenha, Cascatas da Ferida Má, Falha das Ínsuas do Lima, Praia Eemiana da Ribeira de Anha e Cemitério de Praias Antigas do Alcantilado de Montedor.

Comments closed

Viana do Castelo lança app que envolve cidadãos na identificação de espécies

A Câmara de Viana do Castelo vai lançar, na terça-feira, “a primeira app de ciência cidadã” que pretende “pôr os munícipes a participar em projetos de índole científico, identificando animais, fungos e plantas” de todo o país.

“A plataforma está a funcionar há mais de um ano, numa fase inicial apenas na Internet, e agora evolui para ser uma app, disponível em sistemas operacionais da Android e IOS. O objetivo é que os munícipes possam participar em projetos de índole científico, ajudando a identificar animais, fungos e plantas”, disse hoje à agência Lusa o vereador do Ambiente, Ciência e do Conhecimento na Câmara de Viana do Castelo.

Contactado pela Lusa, a propósito de um comunicado sobre a aplicação enviado esta segunda-feira à imprensa pela Câmara da capital do Alto Minho, Ricardo Carvalhido adiantou que a app “vai dar especial atenção às espécies invasoras, tornando-se numa ferramenta importante de gestão e planeamento municipal com vista à sua erradicação uma vez que passam a estar localizadas as áreas invadidas”.

A nova aplicação, designada BioRegisto, que pretende assinalar o Dia Nacional da Conservação da Natureza, que se assinala na terça-feira, começou em 2018, com base online, registando atualmente “mais de 780 observações que correspondem a 267 espécies registadas e validadas pelos parceiros científicos”.

Estão registados, neste momento, segundo a nota do município, “729 utilizadores na plataforma e já foram carregadas 1.252 fotografias”.

As “espécies com mais observações até ao momento foram o Guarda-rios e o Pica-pau-malhado, ambas com 22 registos cada espécie”.

As aves “são o grupo com mais registos, contando já com 308 observações, seguidas dos insetos, com 122 observações, e dos anfíbios, com 39 observações”.

A aplicação “pretende também que os utilizadores apoiem o município na identificação de espécies exóticas (algumas com claro comportamento invasor, como é o caso da acácia), dados de grande valor para o estudo destas espécies, nomeadamente nas suas formas de controlo e erradicação”.

Na terça-feira, as comemorações do Dia Mundial da Conservação da Natureza integram ainda “a assinatura de protocolos de colaboração entre a Câmara, 18 empresas e três associações, tendo por objetivo a reabilitação ecológica de áreas classificadas do concelho de Viana do Castelo, em especial os 13 monumentos naturais, através da realização de ações de erradicação e controlo dos agentes bióticos invasores identificados, garantindo o sucesso do crescimento vegetativo das espécies nativas instaladas”.

Na nota, a Câmara Municipal adianta estar em curso uma empreitada no valor de mais de meio milhão de euros, financiada pelo Programa Operacional da Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR) para a recuperação ecológica de cinco monumentos naturais – Pavimentos Graníticos da Gatenha, Cascatas da Ferida Má, Falha das Ínsuas do Lima, Praia Eemiana da Ribeira de Anha e Cemitério de Praias Antigas do Alcantilado de Montedor.

As ações a realizar pelas entidades parceiras “irão contemplar a erradicação de invasoras, plantação de espécies autóctones, limpeza de vegetação, limpeza de resíduos e monitorização da área adotada quanto ao crescimento vegetativo e à sinalética de interpretação, apoio e visitação”.

Fonte: Observador

Comments closed

Arrancou empreitada financiada pelo POSEUR para cumprir Programa de Reabilitação de Áreas Classificadas do concelho

No âmbito da Estratégia Municipal para a Conservação da Natureza, plano inscrito na Agenda de Ambiente e Biodiversidade em curso para o quadriénio 2017-2021, a Câmara Municipal obteve aprovação do POSEUR para a execução do Programa de Reabilitação Ecológica das Áreas Classificadas do concelho.

O arranque da empreitada, no valor global de meio milhão de euros e que ocorreu hoje, 1 de julho, irá permitir a recuperação ecológica dos primeiros 5 monumentos naturais, áreas únicas para o conhecimento da história geológica da Península Ibérica desde há mais de 500 milhões de anos e que fazem parte da candidatura que o Município está a preparar para reconhecimento de território Geoparque Mundial da UNESCO: o Monumento Natural dos Pavimentos Graníticos da Gatenha, o Monumento Natural do Cemitério das Praias Antigas de Alcantilado de Montedor, o Monumento Natural da Ribeira de Anha, o Monumento Natural das Cascatas da Ferida Má e o Monumento Natural das Falhas das Ínsuas do Lima.

A empreitada foi iniciada no Monumento Natural dos Pavimentos Graníticos da Gatenha, na costa de Afife, tendo marcado presença o Presidente da Câmara Municipal e o Vereador do Ambiente e Biodiversidade, bem como os Presidentes das Juntas de Freguesia de Afife, Carreço, Vila Nova de Anha, de Santa Marta de Portuzelo, de Amonde e de Freixeiro de Soutelo, e ainda o Presidente da União de Freguesias de Mazarefes e Vila Fria. Estiveram igualmente presentes no arranque da empreitada, a cargo da empresa Ambiflora, a Direção da Associação de Caçadores de Vila Nova de Anha, o Presidente da Comissão Diretiva dos Baldios da Montaria e a equipa técnica da Divisão de Ambiente e Sustentabilidade da Câmara Municipal de Viana do Castelo.

Recorde-se que o programa de recuperação ecológica das áreas classificadas de Viana do Castelo, candidatado em agosto de 2019 e aprovado pelo POSEUR no início de 2020, contou com a colaboração de todas entidades hoje representadas. As ações de erradicação e controlo de espécies exóticas, principalmente de Acacia dealbata (Mimosa), Acacia longifolia (Acácia-de-espigas) e Acacia Melanoxylon (Austrália), Carpobrotus edulis (chorão das praias), Arundo donax (cana gigante), Trandescantia fluminencis (erva-da-fortuna ou tradescância) e Cortaderia selloana (erva das pampas ou plumas) foi candidatada tendo em conta que Viana do Castelo é um território rico do ponto de vista do Património Natural e Cultural, com cerca de 4.800 hectares especificamente designados para a proteção de habitats da fauna e da flora (3 sítios de importância comunitária da Rede Natura 2000), sendo o único concelho do país com o inventário do património geológico concluído e devidamente classificado como 13 monumentos naturais, perfazendo uma área total de cerca de 2.832 hectares.

Por último, realça-se que, para além da empreitada em curso, o programa de reabilitação ecológica inclui um plano de monitorização a 5 anos que contará com o apoio e intervenção das Juntas e Uniões de Freguesia, Agrupamentos de Escuteiros, Associações de Caçadores e Comissões Diretivas de Baldios, premissa necessária a garantir a perenidade do sucesso da intervenção agora iniciada.

Comments closed

Cidade de Viana enfeitada com dois mil vasos de flores

As varandas e fachadas de edifícios do centro histórico de Viana do Castelo estão a ser enfeitadas com flores.

A iniciativa da Câmara Municipal, “Florir o Centro Histórico – Reforçar a Identidade e a Pertença dos Vianenses”, prevê a colocação de dois mil vasos floridos, vindos do Horto Municipal de Viana do Castelo. Proprietários e arrendatários da cidade podem aderir.

Segundo comunicado da Autarquia, a primeira fase começou pelas varandas e fachadas da Praça da República, Passeio das Mordomas da Romaria, Largo Histórico do Minho, e ruas Aurora do Lima, da Bandeira, da Picota e Manuel Espregueira (troço até à interceção com a Avenida dos Combatentes).

Estão abrangidas para já cerca de 300 habitações, prevendo-se a colocação de aproximadamente 2000 vasos de flores.

Fonte: Jornal de Notícias

Comments closed

Escola Básica Senhora da Oliveira participa no quinto episódio do programa PING

O quinto episódio do programa PING tem como tema a “Água” e contou com a participação do 3º ano da Escola Básica Senhora da Oliveira – Darque, do Agrupamento de Escolas Monte da Ola.

O PING é um programa que pretende desenvolver a Educação para os media. Através do PING pretende-se desafiar as crianças a refletir sobre um tema atual ou um conteúdo científico, estimulando as suas capacidades comunicativas e criativas. Pretende-se ainda, desenvolver o pensamento crítico e exigente para ler o mundo através dos conteúdos apresentados nos media.

Este projeto foi concretizado pelos alunos do curso Técnico de Audiovisuais, em contexto de estágio no Geoparque Litoral de Viana do Castelo | Câmara Municipal de Viana do Castelo.

 

Comments closed

Projeto Kids-Dive promove batismos de mergulho e descoberta do oceano junto das crianças

A Câmara Municipal de Viana do Castelo lança hoje o programa dedicado à promoção da literacia dos oceanos “Kids-Dive – Mergulhar com Crianças, Descobrir o Oceano”. Este programa é um dos sete que irá ser lançado no âmbito do Ano Municipal da Literacia Científica, linha estratégica da Agenda de Ciência e Conhecimento (2017-2021) com o objetivo central de promover a ciência, o conhecimento científico, bem como os cientistas e o seu método como meio de desenvolvimento humano e do território.

O Kids-Dive é um programa educativo dirigido às escolas, destinado a crianças e jovens com idades compreendidas entre os 8 e os 17 anos, que tem como objetivo geral a proteção do meio marinho e da biodiversidade.

Este projeto irá proporcionar a um grupo de 60 alunos de Viana do Castelo a possibilidade de participar em quatro dias de atividades ligadas à conservação do meio marinho, que incluem um batismo de mergulho, a participação no Summit da National Geographic em Portugal, uma saída de campo até uma área marinha costeira protegida com a presença de investigadores em Biologia, e ainda uma visita guiada com direito a workshop no Oceanário de Lisboa entre março e maio de 2020.

Num concelho com 24 quilómetros de costa, o Município pretende com este projeto formar os jovens vianenses no âmbito da “Literacia do Oceano”, valorizando a consciencialização para a importância do meio marinho e as ameaças de que este é alvo diariamente. É ainda objetivo da Câmara Municipal contribuir para a formação de uma “geração azul”, promovendo uma sociedade capaz de tomar decisões responsáveis e atitudes ponderadas em relação aos mares e aos seus recursos, contribuindo para um desenvolvimento equilibrado.

Atendendo ao limite de alunos para integrar este programa, a seleção das turmas foi baseada num desafio-concurso que envolveu atividade de campo na costa de Viana do Castelo e a recolha de dados da biodiversidade local, utilizando, para o efeito, a plataforma BioRegisto (alojada no sítio da internet do CMIA de Viana do Castelo).
O projeto é coordenado pelo MARE/ISPA-IU (Centro de Ciências do Mar e do Ambiente/Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida) em parceria com várias entidades de renome, como a National Geographic, o Oceanário de Lisboa, o Jardim Zoológico de Lisboa, o Aquário Vasco da Gama, a Nautilis-Sub e a APML – Associação Portuguesa de Lixo Marinho.

Recorde-se que a Câmara Municipal pretende posicionar Viana do Castelo como Cidade da Ciência em 2020.

Comments closed

Fundadora do hub criativo DINAMO10 entrevistada no programa GeoRadar

 

GeoRadar é um programa mensal, que desafia antigos alunos, da Escola Secundária de Santa Maria Maior, a contar na primeira pessoa o seu percurso de vida e o sucesso da sua carreira profissional. Os convidados são desafiados a viajar no tempo e reviver uma memória de infância passada num dos 13 Monumentos Naturais, do Geoparque Litoral de Viana do Castelo. Este programa tem como objetivo inspirar os jovens estudantes através das histórias de vida de antigos alunos com sucesso profissional.

A convidada do quinto episódio do GeoRadar é a Joana Carvalho, fundadora e gestora do DINAMO10, um  hub criativo de Viana do Castelo. O DINAMO10 é “um espaço de partilha, onde o trabalho e a arte se fundem para inspirar todos os que diariamente o habitam, ou os que o visitam pontualmente.”

Este projeto foi concretizado pelos alunos do curso Técnico de Audiovisuais, em contexto de estágio no Geoparque Litoral de Viana do Castelo | Câmara Municipal de Viana do Castelo.

GeoRadar, a história de vida que inspira novas vidas!

Também disponível em https://www.facebook.com/agrupamentodeescolasdesantamariamaior/  e https://www.instagram.com/liceu_audiovisuais/?hl=pt

Comments closed

Viana do Castelo promove Ano Municipal da Literacia Científica com inauguração de instalações, encontros e eventos

Viana do Castelo promove, ao longo de 2020, o Ano Municipal da Literacia Científica com uma programação que inclui a inauguração de instalações para promoção e divulgação de ciência e conhecimento, encontros e eventos diversos.

Assim, o programa de inaugurações começa em março, com a abertura do Museu Virtual da Memória Marítima, constituído por duas valências – Centro de Documentação do Mar e Centro do Património Imaterial do Mar de Viana do Castelo.

Para o mês de abril, está prevista a abertura da Porta do Neiva do Geoparque Litoral de Viana do Castelo | Museu do Mel e do Caulino, um centro de acolhimento turístico-educativo vocacionado para a valorização do património identitário da margem esquerda da Ribeira Lima.

No mês de maio, abre o Observatório do Litoral Norte – Laboratório Colaborativo para o Conhecimento do Mar de Viana do Castelo, o primeiro Laboratório Colaborativo de iniciativa municipal do país, dedicado à promoção e valorização do conhecimento do mar do concelho.

Em setembro, abrirá a Porta das Argas do Geoparque Litoral de Viana do Castelo | Museu do Património Mineiro das Argas, um centro de acolhimento turístico-educativo vocacionado para a valorização do património identitário da margem direita da Ribeira Lima.

A agenda de eventos para promoção da literacia científica inclui o projeto Ciência à Vista, que trará exposições como “As Mulheres na Ciência” (Centro de Mar) e a “Tabela Periódica em Croché” (CMIA). Outra das iniciativas a ser promovida é o Cientista do Mês, que dará a conhecer alguns dos cientistas mais emblemáticos e suas descobertas.

As Conversas de Fim de Tarde no Parque é uma iniciativa direcionada ao público em geral, na qual se pretende dinamizar conversas informais acerca da ciência que se faz em Viana do Castelo em pleno Parque Ecológico Urbano. A programação inclui ainda Hands on Science, com atividades em laboratório e no campo, acompanhando o trabalho que os cientistas desenvolvem no âmbito da sua atividade regular.

Kids Dive – Mergulhar no Atlântico é um programa dedicado a 3 turmas selecionadas por concurso e de Viana do Castelo (2º e 3º ciclo, e secundário), tendo em vista a promoção do conhecimento do património natural que o Oceano representa através da interação com biólogos marinhos, divulgadores de ciência e instrutores de mergulho. Já o projeto Laboratórios Abertos inclui abrir os laboratórios da Rede Escolar de Apoio à Ciência e Apoio à Investigação Científica de Viana do Castelo ao público em geral para visitas, realização de atividades laboratoriais e contacto com os cientistas.

Por fim, PubHD é a iniciativa que pretende que, uma vez por mês, dois ou três estudantes de mestrado / doutoramento ou recém mestrados / doutorados apresentem, num pub (ou bar), o seu trabalho de investigação usando linguagem simples e acessível a qualquer tipo de público.

No que diz respeito aos Encontros, no mês de março, no edifício da União de Freguesias de Barroselas e Carvoeiro, em Carvoeiro, acontece o I Encontro de Entidades Gestoras de Baldios de Viana do Castelo. Em novembro, o Centro Cultural recebe o I Encontro de Ciência e Conhecimento de Viana do Castelo.

Comments closed

Agrupamento de Escolas de Barroselas convidado a apresentar projeto desenvolvido no âmbito da Autonomia e Flexibilidade Curricular, pela Universidade Católica do Porto

O Agrupamento de Escolas de Barroselas foi convidado, pela Universidade Católica do Porto, a apresentar a experiência em curso nas escolas do Agrupamento, no âmbito da Autonomia e Flexibilidade Curricular, nomeadamente na organização da Oferta Complementar – Nós no Mundo, a Nossa Identidade: “Portas do Neiva – Conhecer para Valorizar: Um Vale; Um Património; Um Rio em Comum”.

A partilha desta experiência educativa decorre hoje na UCP no 2º Seminário – Fomentando Práticas pedagógicas diferenciadas, no âmbito do X Ciclo de Seminários de Aprofundamento em Administração, Supervisão e Organização Escolar – RENOVAR A ESCOLA E MELHORAR O ENSINO. A apresentação será feita pela Equipa Promotora da Diferenciação e Flexibilidade Curricular de Agrupamento, mentores do projeto: Carla Fernandes, Conceição Cancela, Marcelo Torre e Marcial Passos.

Os Seminários do X Ciclo destinam-se a professores, diretores, líderes pedagógicos, profissionais da área da educação e investigadores e constituem uma oportunidade privilegiada para a divulgação de pesquisas e de estudos, a partilha de experiências e o debate de ideias sobre as políticas e os processos educativos.

As Equipas Promotoras da Diferenciação e Flexibilidade Curricular de Agrupamento foram criadas no âmbito da pós-graduação em “Educação, Ciência e Património Local”, a qual contribuiu para que os professores desenvolvessem conhecimentos e capacidades para a promoção de práticas educativas colaborativas e mais contextualizadas.

Esta pós-graduação, pioneira no país, foi lançada pelo município de Viana do Castelo em pareceria com a Escola Superior de Educação (ESE) do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) na qual formou 28 professores promotores da diferenciação e flexibilidade curricular que estão a trabalhar nas escolas do concelho.

Comments closed

Viana cria museu virtual da memória marítima Nova valência do Centro de Mar, no navio Gil Eannes, estará disponível a partir de Março.

Nova valência do Centro de Mar, no navio Gil Eannes, estará disponível a partir de Março.

O navio pode estar parado; a memória que o povoa, nem por nisso. Enquanto houver gente que se fez gente no mar, Viana do Castelo, a cidade da foz do rio Lima, há-de ser sempre marítima, também. E é todo esse património, material e imaterial, que o município quer valorizar num novo serviço que está a ser montado no Centro de Mar, em pleno navio-hospital Gil Eannes. O Museu Virtual da Memória Marítima há-de estar pronto a navegar em Março, abrindo horizontes para documentos e histórias de vida da população local, revelou ao PÚBLICO o vereador com o pelouro da Ciência e Conhecimento, Ricardo Jorge Carvalhido.

O projecto está neste momento em montagem. Implica uma componente física, de instalação de uma sala com equipamentos de consulta no próprio navio, mas, também, uma componente virtual, que, por exemplo, tornará acessível a toda a comunidade o acervo disponível no Centro de Documentação do Mar (CDM). Como um navio não é um sítio adequado para depósito de livros, a autarquia entendeu garantir, a partir do Gil Eannes e da internet, a consulta virtual aos 700 títulos já disponíveis no CDM, colocando as obras noutro local, mas ainda assim acessíveis, por requisição, a investigadores que necessitem de pesquisar os originais.

Entre os 700 títulos deste centro de documentação, há cerca de 200 livros sobre o mar, e muitos deles sobre “o mar de Viana”, 300 periódicos e 80 catálogos, explicou o vereador Ricardo Jorge Carvalhido. No entanto, como toda esta obra foi sendo produzida por “pessoas que, muitas vezes, nunca meteram o corpo no mar”, o município entendeu valorizar também um outro património, não escrito, mas presente ainda em muitas casas da zona ribeirinha da cidade. As histórias de vida de pescadores e marinheiros, e de trabalhadores de outras profissões, como os dos estaleiros de onde saíram navios que alimentaram o comércio marítimo e a pesca longínqua.

Apoio da Rede Escolar de Ciência

Comments closed

Mais de 500 árvores foram plantadas no Monte da Padela

O Conselho Diretivo de Carvoeiro e a Padela Natural, Associação Promotora, realizaram no monte da Padela, uma plantação de espécies florestais autóctones. Entre carvalhos, castanheiros, medronheiros ou azevinhos foram entregues à natureza mais de 500 árvores.

A iniciativa, que contou com os apoios da Câmara Municipal de Viana do Castelo e da União de Freguesias de Barroselas e Carvoeiro e o contributo de várias dezenas de pessoas, está enquadrada num longo trabalho encetado pelos compartes de Carvoeiro e coordenado pelo protetor ambiental Artur Sá.

Esta iniciativa visou a sensibilização e a pedagogia para a preservação da floresta e da biodiversidade atlântica, assim como a coesão e a cooperação das comunidades envolventes do monte da Padela. Como anunciado nos preparativos de outro evento interligado, a Fogueira de Natal realizada no largo das Neves no passado mês de dezembro, o grupo dos Lenhadores do Largo também contribuíram com parte das árvores para atenuar o impacto ambiental do evento.

Fonte: Radio Geice

Comments closed

Viana do Castelo continua a aposta na Floresta Nativa com mais 12 hectares plantados

No âmbito da Estratégia Municipal para a Conservação da Natureza, a Câmara Municipal de Viana do Castelo promoveu ao longo deste mês diversas iniciativas integradas no Programa para a Recuperação da Floresta Nativa Portuguesa para 2020 e 2021, documento que emerge do encerramento do Ano Municipal para a Recuperação da Floresta Nativa Portuguesa comemorado durante o ano transato com dezenas de iniciativas.

Com o apoio de 30 voluntários do Rotary Club de Viana do Castelo e os Clubes das Novas Gerações (Rotary KIDs, Interact e Rotaract) deu-se início no passado dia 18 de janeiro plantação de 1800 carvalhos (Quercus robur), numa área de 5 hectares do Baldio de Carvoeiro. A Serra da Padela é anualmente alvo de desenvolvimento de um conjunto de iniciativas de caráter ambiental como ações de reflorestação, e de caráter desportivo, promovidas pela Associação Padela Natural em colaboração ou apoiadas pela Câmara Municipal de Viana do Castelo. Outros parceiros locais, como o Conselho Diretivo do Baldio de Barroselas e o Conselho Diretivo do Baldio de Carvoeiro também exercem funções de gestão dos espaços florestais através da realização de silvicultura preventiva e beneficiação de infraestruturas florestais como caminhos, pontos de águas e parques de recreio e lazer.

Paralelamente a esta iniciativa o município contou com a participação de 23 alunos da E.B. 2,3 Frei Bartolomeu dos Mártires (7ºB) e de 50 crianças da Creche e Jardim do Lar de Santa Teresa (sala dos finalistas) para a plantação de diversas espécies autóctones como a Nogueira-brava, áceres, carvalhos e pinheiro manso numa zona de 7 hectares do Monumento Natural das Cristas Quartzíticas do Campo Mineiro de Folgadoiro-Verdes. Pretendemos através destas ações implementar medidas de preservação e conservação das espécies e dos habitats naturais, proteger e valorizar a paisagem e promover a investigação científica indispensável ao desenvolvimento do conhecimento dos valores naturais referidos, numa perspetiva de educação ambiental.

Recorde-se que o Município tem em desenvolvimento uma linha estratégica que consiste na conservação da natureza – biodiversidade e geodiversidade – e na manutenção dos serviços prestados por estas duas dimensões. A Estratégia Municipal para a Conservação da Natureza constitui o principal eixo de desenvolvimento do município para a Agenda de Ambiente estabelecida para o Quadriénio 2017-2021.

Comments closed

Parque ecológico de Viana do Castelo abre ao público em junho, 12 anos depois

O presidente da Câmara de Viana do Castelo apontou hoje o mês de junho para a abertura, ao público, do Parque Ecológico Urbano de Viana do Castelo (PEUVC), após 12 anos de sucessivos adiamentos.

Com cerca de 20 hectares, o PEUVC foi inaugurado em março de 2008 e, desde então, recebe apenas visitas guiadas para grupos, restrição contestada há anos, quer pelos partidos da oposição quer pela população local.

A maioria socialista na autarquia tem justificado aquele modelo com a necessidade de consolidação e proteção do parque. Situado junto ao rio Lima, na zona da caldeira de marés das antigas Azenhas Dom Prior, aquele parque é uma das obras emblemáticas do Programa Polis, que investiu dois milhões de euros na recuperação daquela área.

Questionado pela Lusa, à margem da reunião camarária de hoje que aprovou, por unanimidade, o regulamento PEUVC, José Maria Costa adiantou que o município “irá tentar” realizar a abertura ao público no dia 05 de junho, Dia Mundial do Ambiente.

O regulamento hoje aprovado vai ainda ser submetido à apreciação da Assembleia Municipal, seguindo depois para publicação em Diário da República.

A proposta de regulamento foi aprovada pelo executivo em maio de 2018 e esteve em consulta pública entre junho e julho desse ano, com o objetivo de permitir a abertura daquele espaço à comunidade.

Na apresentação do texto final do documento, hoje, ao executivo municipal, o vereador do Ambiente e Biodiversidade, Ciência, Inovação e Conhecimento, adiantou que desde 2018, foram investidos naquele espaço mais de 379 mil euros.

Ricardo Carvalhido disse estar em curso a terceira fase de “reabilitação e funcionalização” do PEUVC que inclui a “recuperação de quatro quilómetros de caminhos pedonais numa área superior a 3.500 metros quadrados”.

A implementação das medidas de autoproteção, a colocação de sinalética informativa e de emergência, de um sistema de comunicação por altifalantes, de contagem e controlo de utentes e da rede Wi-Fi, são outras as intervenções em a decorrer.

As obras contemplam ainda a criação de “uma área de estufa para propagação de espécies autóctones, de um edifício de apoio, de um borboletário e de um armazém de apoio”.

Nas fases anteriores, referiu, “foram recuperadas as estruturas dos observatórios da fauna e flora, as travessias pedonais, a rede de passadiços, e a recuperação de guias dos caminhos pedonais”. Foram realizadas obras de “conservação da estrutura de apoio agrícola ao parque, dos parques de recreio, e lazer e da área arqueológica”.

Após a aprovação do regulamento, a vereadora da CDU, Cláudia Marinho, congratulou-se com a concretização de uma “batalha” antiga do partido.

“Finalmente, o nosso parque vai ser aberto às pessoas, sem marcação prévia”, referiu a vereadora comunista.

O PEUVC “é um espaço dedicado ao recreio e lazer, e a atividades de educação ambiental, e de investigação científica e conservação da natureza, integrado no Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental (CMIA)”.

O regulamento refere que espaço funcionará “de terça-feira a domingo”, o entre “21 de setembro e 20 de março e entre 21 de março a 20 de setembro”.

Naquele documento, a autarquia da capital de distrito define que o acesso ao PEUVC “poderá estar sujeito ao pagamento de uma tarifa cujo valor é fixado pela Câmara Municipal.

Os utilizadores “poderão ser distinguidos por categorias, entre elas a de Público, Amigo do Parque, para todos os que adiram ao programa “Amigo do Parque”, e de Empresa Amiga, destinada a todas as entidades coletivas que contribuam com um donativo ou que patrocinem atividades, eventos específicos ou ações de melhoria do PEUVC”.

É ainda criada a figura do “Benfeitor” do PEUVC, para distinguir “toda a pessoa singular que contribuir com um donativo”.

O PEUVC integra a Rede Portuguesa de Estações da Biodiversidade e é o primeiro Parque de Halófitas em Portugal.

Recebeu o Prémio Nacional de Arquitetura Paisagista, na categoria de Parques e Jardins, em 2009, cujo projeto é da autoria da arquiteta Ana Barroco.

Em 2011, recebeu uma menção honrosa na categoria de Melhor Serviço de Extensão Cultural dos Prémios APOM 2011, atribuídos pela Associação Portuguesa de Museologia.

Fonte: ominho

Comments closed

Ano Municipal para a Recuperação da Floresta Nativa Portuguesa em destaque no 8º episódio do programa GeoNews

 

O oitavo episódio da rubrica GeoNews é dedicado ao Ano Municipal para a Recuperação da Floresta Nativa Portuguesa.

Durante o ano de 2019, a Câmara Municipal de Viana do Castelo promoveu várias iniciativas para a recuperação da floresta autóctone. Estas atividades estavam inseridas na programação do Ano Municipal para a Recuperação da Floresta Nativa Portuguesa, iniciativa enquadrada na Estratégia Municipal para a Conservação da Natureza (Agenda do Ambiente e da Biodiversidade para o quadriénio 2017-2021).

GeoNews é uma rubrica mensal, lançada na última quinta-feira de cada mês, que pretende sensibilizar para a importância do conhecimento no domínio das geociências, dar a conhecer a geodiversidade em articulação com os conteúdos programáticos, bem como promover a riqueza do património cultural e natural presente no território do Município de Viana do Castelo.

Este projeto foi concretizado pelos alunos do curso Técnico de Audiovisuais, em contexto de estágio no Geoparque Litoral de Viana do Castelo | Câmara Municipal de Viana do Castelo.

Comments closed

Viana do Castelo cria programa para avaliar o ar interior de 53 escolas

Viana do Castelo é o “primeiro município do país” a desenvolver um programa de monitorização da qualidade do ar interior dos 53 edifícios do parque escolar do concelho, num investimento de 18 mil euros, anunciou esta terça-feira a câmara.

Viana do Castelo é o primeiro município do país com uma estratégia para a monitorização das radiações ionizantes, sob a forma de programa, que está a ser concretizado e com resposta clara para este assunto“, afirmou esta terça-feira o vereador do Ambiente e Biodiversidade, Ciência, Inovação e Conhecimento, Ricardo Carvalhido.

O responsável, que falava durante a sessão de encerramento do projeto RnMonitor “Radão em Portugal: situação atual e perspetivas futuras” explicou que aquele programa “começou a ser implementado esta semana para avaliar a qualidade biotérmica e radiológica” do ar nas 53 escolas do concelho, sendo que, “no próximo mês, será iniciada a avaliação à qualidade microbiológica“.

Vamos avaliar o ar de cerca de um terço das salas de aulas das nossas escolas. Dentro de dois meses, esperamos ter o primeiro perfil da qualidade do ar das nossas escolas. Nos edifícios que apresentarem dados fora dos valores considerados normais, será implementado um estudo mais pormenorizado com uma duração de, no mínimo, três meses“, especificou.

Ricardo Carvalhido adiantou que “a monitorização do gás radão e dos parâmetros de humidade, temperatura e dióxido de carbono estão a ser aferidos por sensores instalados nas 53 escolas do concelho, equipamentos que comunicam através de uma rede partilhada entre a câmara e pelo Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC), sendo possível receber, em tempo real, os dados de cada estabelecimento“.

Estes dados estão a ser monitorizados na plataforma da Rede Municipal de Monitorização de Parâmetros Ambientais e de Proteção Civil, para, posteriormente, serem validados e analisados pelos parceiros do programa“, indicou.

O programa de monitorização da qualidade do ar interior de edifícios municipais tem como parceiros o IPVC e a Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM), que participarão “na elaboração de um manual de boas práticas para a qualidade do ar interior de cada edifício escolar“. Aquele documento incluirá medidas que “poderão passar pela determinação de uma frequência e duração de arejamento, ou, em casos excecionais, a instalação de mecanismos de ventilação forçada do espaço“.

O vereador da câmara da capital do Alto Minho explicou que o programa teve início no parque escolar por ser “reconhecido, por um lado, que o conforto biotérmico dos alunos nas salas de aula, (aferido pelos dados de temperatura e humidade relativa) é um fator determinante no sucesso educativo e também porque a presença de agentes radiológicos (como é exemplo o gás radão, principalmente na região Norte e Centro de Portugal) e biológicos (como vírus, fungos e bactérias) podem comprometer de forma séria, a saúde dos alunos e dos profissionais de educação“.

A implementação daquele programa municipal resulta “da transferência de competências em matéria de educação, da administração central para a administração local“.

Iniciativa “O Radão por Casa”

Ricardo Carvalhido adiantou que, em abril, no decurso do programa municipal, a autarquia lançará, no âmbito do Dia Nacional do Ar, a iniciativa “O Radão por Casa“. O responsável explicou tratar-se de “um programa doméstico que disponibilizará aos munícipes uma sonda que lhes permitirá conhecer, durante uma semana, os valores de radão e os parâmetros de conforto bioclimático da sua habituação“.

Posteriormente, “os munícipes receberão uma avaliação diagnóstica com orientações para a mitigação dos parâmetros nos casos em que estes ultrapassem o valor legal de referência“.

No caso dos moradores do centro histórico, estará disponível a sonda que permitirá o acesso em tempo real aos valores medidos, através da plataforma da rede municipal de monitorização de parâmetros ambientais e proteção civil“, referiu.

O projeto de investigação intitulado “RnMonitor: Infraestrutura de Monitorização Online e Estratégias de Mitigação Ativa do Gás Radão no Ar Interior em Edifícios Públicos da Região Norte de Portugal” foi realizado entre 2016 e 2019.

A investigação foi conduzida pelos docentes António Curado e Sérgio Lopes do IPVC e incidiu sobre 30 edifícios públicos selecionados pelas câmaras de Viana do Castelo e Barcelos.

Fonte: TSF

 

Comments closed

Lançamento do quarto episódio do PING com o tema Alterações Climáticas

 

O quarto episódio do programa PING trata um tema da atualidade, as alterações climáticas.

O PING é um programa que pretende desenvolver a Educação para os media. Através do PING pretende-se desafiar as crianças a refletir sobre um tema atual ou um conteúdo científico, estimulando as suas capacidades comunicativas e criativas. Pretende-se ainda, desenvolver o pensamento crítico e exigente para ler o mundo através dos conteúdos apresentados nos media.

Este projeto foi concretizado pelos alunos do curso Técnico de Audiovisuais, em contexto de estágio no Geoparque Litoral de Viana do Castelo | Câmara Municipal de Viana do Castelo.

Comments closed

Lançamento do podcast da entrevista ao Hugo Rodrigues do programa GeoRadar

 

Neste episódio do GeoRadar a pessoa desafiada a contar o seu percurso de vida é o Hugo Rodrigues, Pediatra na Unidade Local de Saúde do Alto Minho, em Viana do Castelo, docente na Escola de Medicina da Universidade do Minho e formador pelo European Ressuscitation Council na área de Emergências Pediátricas.

GeoRadar é um programa mensal, que desafia antigos alunos, da Escola Secundária de Santa Maria Maior, a contar na primeira pessoa o seu percurso de vida e o sucesso da sua carreira profissional. Os convidados são desafiados a viajar no tempo e reviver uma memória de infância passada num dos 13 Monumentos Naturais, do Geoparque Litoral de Viana do Castelo.

Este projeto foi concretizado pelos alunos do curso Técnico de Audiovisuais, em contexto de estágio no Geoparque Litoral de Viana do Castelo | Câmara Municipal de Viana do Castelo.

GeoRadar, a história de vida que inspira novas vidas!

Também disponível em https://www.facebook.com/agrupamentodeescolasdesantamariamaior/  e https://www.instagram.com/liceu_audiovisuais/?hl=pt

Comments closed

Museu Virtual da Memória Marítima está a ser instalado no Centro de Mar do navio Gil Eannes

O Centro de Mar, valência instalada a bordo do navio hospital Gil Eannes, está a sofrer uma empreitada de refuncionalização para acolher o novo Museu Virtual da Memória Marítima, uma infraestrutura para a promoção da Ciência e do Conhecimento do Mar de Viana, inscrita na Agenda de Ciência e de Conhecimento do município (quadriénio 2017-2021).

A obra, que iniciou esta semana, vai permitir a criação do museu, que irá dispor de um Centro de Documentação do Mar, onde será possível consultar de forma interativa e desmaterializada o acervo documental disponível, entre livros, revistas, monografias e periódicos sobre a temática do mar, mantendo-se a possibilidade da consulta material e requisição de alguns dos bens. Terá ainda uma segunda valência, também digitalizada, que constitui o Centro do Património Imaterial do Mar de Viana, onde será possível aceder a conteúdo audiovisual proveniente da recolha de testemunhos da vida pessoal e de trabalho dos homens e mulheres que se fizeram valer no nosso mar.

A obra em curso está prevista para terminar a 25 de janeiro, sábado, dia em que se prevê a reabertura daquele equipamento. Esta obra acrescentará ao Centro de Mar um espaço para promoção do serviço educativo no Centro de Mar. A inauguração do novo Museu Virtual da Memória Marítima está prevista para o próximo mês de março.

Recorde-se que o Centro de Mar, a funcionar no navio Gil Eannes, inaugurou no dia 16 de novembro 2014 (Dia Nacional do Mar). A abertura decorreu depois de ter sido reabilitado e reconvertido um espaço do navio Gil Eannes para ali abrir a “porta de entrada” do Centro de Mar de Viana do Castelo, tendo implicado um conjunto de adaptações do navio para as novas funções complementares às que já aí funcionavam.

O espaço é dotado, entre outras valências, de equipamentos multimédia, um mini-auditório, a possibilidade de acesso a consultas, áreas de apoio ao empreendedorismo e economia náutica e diversas experiências audiovisuais interativas. Disporá agora de um novo espaço dedicado ao serviço educativo que dedica, anualmente, milhares de horas no apoio e desenvolvimento de projetos educativos em parceria com os Agrupamentos de Escolas do concelho de Viana do Castelo.

O “Centro de Mar” integra-se como projeto âncora no Cluster do Conhecimento e da Economia do Mar enquanto componentes relevantes para o reforço da posição de Viana do Castelo como uma “cidade da náutica do atlântico”. Em 2015, o Centro de Mar foi galardoado com Bandeira Azul, reconhecendo a sua importância para o conhecimento do mar, tornando-se assim num Centro Azul.

Comments closed

7º episódio da rubrica GeoNews destaca a Rede Mundial de Geoparque e os Geoparque de Portugal

 

Neste episódio da rubrica GeoNews o tema tratado é a Rede Mundial de Geoparques da Unesco e os Geoparques de Portugal.

GeoNews é uma rubrica mensal, lançada na última quinta-feira de cada mês, que pretende sensibilizar para a importância do conhecimento no domínio das geociências, dar a conhecer a geodiversidade em articulação com os conteúdos programáticos, bem como promover a riqueza do património cultural e natural presente no território do Município de Viana do Castelo.

Este projeto foi concretizado pelos alunos do curso Técnico de Audiovisuais, em contexto de estágio no Geoparque Litoral de Viana do Castelo | Câmara Municipal de Viana do Castelo.

Comments closed

Terceiro episódio do programa PING

 

O PING é um programa que pretende desenvolver a Educação para os media. Através do PING pretende-se desafiar as crianças a refletir sobre um tema atual ou um conteúdo científico, estimulando as suas capacidades comunicativas e criativas. Pretende-se ainda, desenvolver o pensamento crítico e exigente para ler o mundo através dos conteúdos apresentados nos media.

O tema deste mês, terceiro episódio do programa PING, é a camada de ozono.

Este projeto foi concretizado pelos alunos do curso Técnico de Audiovisuais, em contexto de estágio no Geoparque Litoral de Viana do Castelo | Câmara Municipal de Viana do Castelo.

 

Comments closed

Ricardo Rodrigues da Blisq Creative é o entrevistado do Georadar deste mês

 

Neste episódio do GeoRadar a pessoa desafiada a contar o seu percurso de vida é o Ricardo Rodrigues, um dos sócios da agência de comunicação Blisq Creative.

GeoRadar é um programa mensal, que desafia antigos alunos, da Escola Secundária de Santa Maria Maior, a contar na primeira pessoa o seu percurso de vida e o sucesso da sua carreira profissional. Os convidados são desafiados a viajar no tempo e reviver uma memória de infância passada num dos 13 Monumentos Naturais, do Geoparque Litoral de Viana do Castelo.

Este projeto foi concretizado pelos alunos do curso Técnico de Audiovisuais, em contexto de estágio no Geoparque Litoral de Viana do Castelo | Câmara Municipal de Viana do Castelo.

GeoRadar, a história de vida que inspira novas vidas!

Também disponível em https://www.facebook.com/agrupamentodeescolasdesantamariamaior/  e https://www.instagram.com/liceu_audiovisuais/?hl=pt

Comments closed

Escuteiros plantam espécies nativas no Monumento Natural da Ribeira de Anha no Dia Nacional da Floresta Autóctone

O Município de Viana do Castelo promoveu uma ação de controlo e erradicação de espécies exóticas com comportamento invasor e plantação de espécies autóctones no Monumento Natural da Ribeira de Anha, para assinalar o Dia Nacional da Floresta Autóctone no passado sábado dia 23 de novembro.

Esta atividade integra o programa que a Câmara Municipal de Viana do Castelo tem vindo a realizar no âmbito do Ano Municipal para a Recuperação da Floresta Nativa Portuguesa, iniciativa enquadrada na Estratégia Municipal para a Conservação da Natureza (Agenda do Ambiente e da Biodiversidade para o quadriénio 2017-2021).

Nesta iniciativa participaram mais de 100 escuteiros dos Agrupamentos de Darque e Vila Nova de Anha, juntamente com os membros da associação de caçadores de Anha e a Junta de Freguesia de V. N. de Anha, coordenados pelos técnicos da equipa do Geoparque Litoral de Viana do Castelo, do Gabinete Técnico Florestal e do Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental da Câmara Municipal.

A ação decorreu dentro da área do Monumento Natural da Ribeira de Anha, onde foram arrancadas e cortadas centenas de espécies exóticas com comportamento invasor existentes no local, como a Acácia Longifolia, a Phytolacca Americana (Erva-tintureira) e a Arundo Donax (Canas). Após a limpeza da área, foram plantadas cerca de 300 espécimes autóctones (pinheiros).

Esta atividade faz parte das duas dezenas de ações previstas durante o Ano Municipal para a Recuperação da Floresta Nativa Portuguesa, cujo objetivo principal é a recuperação dos 100 hectares de Área de Recuperação Ecológica, que integram áreas ardidas e zonas classificadas. Estas ações envolvem a participação dos sete Agrupamentos de Escolas do concelho, associações e empresas locais e a comunidade em geral.

Comments closed

Segundo episódio do programa PING com o tema “O que é uma citânia?”

 

O tema abordado no segundo episódio do programa PING é “O que é uma citânia?”.

O PING é um programa que pretende desenvolver a Educação para os media, tendo como base as orientações do Referencial de Educação para os Media, da Direção-Geral da Educação.

Segundo a Direção-Geral da Educação, a Educação para os Media pretende incentivar os alunos a utilizar e decifrar os meios de comunicação social, nomeadamente o acesso e utilização das tecnologias de informação e comunicação, visando a adoção de comportamentos e atitudes adequados a uma utilização crítica e segura da Internet.

Através do PING pretende-se desafiar as crianças a refletir sobre um tema atual ou um conteúdo científico, estimulando as suas capacidades comunicativas e criativas. Pretende-se ainda, desenvolver o pensamento crítico e exigente para ler o mundo através dos conteúdos apresentados nos media.

Este projeto foi concretizado pelos alunos do curso Técnico de Audiovisuais, em contexto de estágio no Geoparque Litoral de Viana do Castelo | Câmara Municipal de Viana do Castelo.

 

Comments closed

Andrea Cruz foi desafiada a contar o seu percurso de vida no segundo episódio do GeoRadar

No segundo episódio do GeoRadar a pessoa desafiada a contar o seu percurso de vida é a Andrea Cruz, jornalista da Rádio Alto Minho e da agência noticiosa LUSA.

GeoRadar é um programa mensal, que desafia antigos alunos, da Escola Secundária de Santa Maria Maior, a contar na primeira pessoa o seu percurso de vida e o sucesso da sua carreira profissional. Os convidados são desafiados a viajar no tempo e reviver uma memória de infância passada num dos 13 Monumentos Naturais, do Geoparque Litoral de Viana do Castelo.

Este projeto foi concretizado pelos alunos do curso Técnico de Audiovisuais, em contexto de estágio no Geoparque Litoral de Viana do Castelo | Câmara Municipal de Viana do Castelo.

GeoRadar, a história de vida que inspira novas vidas!

Também disponível em https://www.facebook.com/agrupamentodeescolasdesantamariamaior/  e https://www.instagram.com/liceu_audiovisuais/?hl=pt

Comments closed

INVESTIMENTO DE 1,6 ME NO GEOPARQUE DE VIANA DO CASTELO CONCLUÍDO ATÉ PRIMEIRO SEMESTRE DE 2020

O vereador do Ambiente e Biodiversidade, Ciência, Inovação e Conhecimento da Câmara de Viana do Castelo, Ricardo Carvalhido, estimou hoje que até à primeira metade de 2020, estará concluída a implementação de todas as valências do geoparque do litoral, num investimento de cerca de 1,6 milhões de euros, financiado por fundos comunitários.

“Os pilares do geoparque terão de estar concluídos até à primeira metade de 2020, porque assim o obrigam as candidaturas que submetemos ao Norte 2020 e POSEUR – Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso dos Recursos”, afirmou.

O geoparque do litoral de Viana do Castelo inclui 13 monumentos naturais, cuja classificação ficou concluída em janeiro de 2018.

Segundo Ricardo Carvalhido, do montante global a investir na instalação do geoparque, 570 mil euros foram aplicados na erradicação de várias espécies invasoras existentes nesses monumentos naturais e 30 mil euros “na primeira pós-graduação do país em Educação, Ciência e Património Local”.

A especialização lançada pelo município, em pareceria com a Escola Superior de Educação (ESE) do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC), “formou 28 professores promotores da diferenciação e flexibilidade curricular que já estão a trabalhar nas escolas do concelho”.

Hoje, destacou o vereador, foi dado “mais um passo” na consolidação do projeto do geoparque, com o arranque da instalação de 52 infraestruturas interpretativas, entre painéis interativos de acolhimento e mesas de leitura dos 13 monumentos naturais do concelho, num investimento de 200 mil euros.

Aquelas ferramentas permitirão “explicar a quem passar pelos 13 monumentos naturais a forma como o território evoluiu ao longo dos últimos 570 milhões de anos”.

“Estas ferramentas permitem aos munícipes em geral, a professores e alunos e aos turistas compreenderem os aspetos fundamentais da evolução do território que hoje forma Viana do Castelo, ao longo dos últimos 570 milhões de anos, registando nas suas rochas diversos episódios, como se de folhas de um livro se tratasse”, explicou aos jornalistas junto aos pavimentos graníticos da Gatenha, em Afife, a cerca de 12 quilómetros da sede do concelho.

O monumento natural dos pavimentos graníticos da Gatenha tem uma área com cerca de 27 hectares. Ficará dotado com “duas mesas de leitura de paisagem, flechas direcionais, e marcas numéricas instaladas ao nível dos vários afloramentos com valor científico, que permitão uma interpretação mais aprofundada do valor conservado através de uma aplicação móvel que está a ser criada”.

Essa aplicação móvel, outra das fases do geoparque, “estará pronta até meados de 2020” e reunirá “todos os pontos notáveis do património natural e construído existente em todo o concelho”.

“Esse trabalho de levantamento está a ser produzido pelos técnicos da autarquia para integrar a aplicação móvel que irá complementar as mesas de leitura de paisagem que hoje começámos a instalar”, referiu Ricardo Carvalhido.

Três portas acolhimento do geoparque do litoral – Porta do Atlântico, Neiva e das Argas- num investimento de cerca de 350 mil euros cada e dotada de painéis interativos, já em construção, completarão o projeto municipal.

A classificação dos 13 locais concedeu a estas áreas “um estatuto legal de proteção adequado à manutenção da biodiversidade e dos serviços dos ecossistemas e do património geológico, bem como à valorização da paisagem”.

As áreas classificadas “foram selecionadas por avaliação dos geossítios identificados na segunda e penúltima fase de inventariação do projeto do geoparque litoral de Viana do Castelo que a Câmara quer candidatar à UNESCO como Património da Humanidade.

A candidatura que está em preparação “é sustentada no facto de Viana do Castelo integrar um território rico do ponto de vista do património natural e cultural, com cerca de 4.800 hectares especificamente designados para a proteção de ‘habitats’ da fauna e da flora (três sítios de importância comunitária da Rede Natura 2000), sendo o único concelho do país com o inventário do património geológico concluído e devidamente classificado como 13 monumentos naturais, perfazendo uma área total de cerca de 2.832 hectares”.

Promovida pelo geoparque, entrou em funcionamento em janeiro de 2018, a primeira rede escolar de ciência e de apoio à investigação científica do país, instalada nas sedes de sete agrupamentos de Viana do Castelo, envolvendo cerca de três mil alunos e 30 investigadores.

A rede integra sete laboratórios que permitem “aos alunos do primeiro ciclo ao ensino secundário trabalharem com cientistas de várias zonas do país, consolidando a aproximação das escolas à ciência – aos seus equipamentos, aos cientistas e aos problemas e metodologias em ciência”.

Em 2017, o geoparque garantiu ao concelho o Prémio de Melhor Município para Viver, atribuído pelo Instituto de Tecnologia Comportamental. Em setembro desse ano, a câmara constituiu a associação do geoparque, que tem como membros fundadores diversas personalidades e associações de todo o concelho.

Fonte: Radio Alto Minho

 

 

 

 

Comments closed

PING: rubrica mensal de Educação para os Media

O PING é um programa que pretende desenvolver a Educação para os media, tendo como base as orientações do Referencial de Educação para os Media, da Direção-Geral da Educação.

Segundo a Direção-Geral da Educação, a Educação para os Media pretende incentivar os alunos a utilizar e decifrar os meios de comunicação social, nomeadamente o acesso e utilização das tecnologias de informação e comunicação, visando a adoção de comportamentos e atitudes adequados a uma utilização crítica e segura da Internet.

Através do PING pretende-se desafiar as crianças a refletir sobre um tema atual ou um conteúdo científico, estimulando as suas capacidades comunicativas e criativas. Pretende-se ainda, desenvolver o pensamento crítico e exigente para ler o mundo através dos conteúdos apresentados nos media.

Neste primeiro episódio o tema em destaque é as dunas.

Este projeto foi concretizado pelos alunos do curso Técnico de Audiovisuais, em contexto de estágio no Geoparque Litoral de Viana do Castelo | Câmara Municipal de Viana do Castelo.

Comments closed

Geoparque Litoral de Viana do Castelo lança nova rubrica mensal

 

GeoRadar é um programa mensal, que desafia antigos alunos, da Escola Secundária de Santa Maria Maior, a contar na primeira pessoa o seu percurso de vida e o sucesso da sua carreira profissional. Os convidados são desafiados a viajar no tempo e reviver uma memória de infância passada num dos 13 Monumentos Naturais, do Geoparque Litoral de Viana do Castelo.

Neste primeiro episódio o entrevistado é o Pedro Silva, criador da marca de óculos de luxo VAVA, nascida em 2014, que atualmente consegue conquistar celebridades em todo o mundo.

Este projeto foi concretizado pelos alunos do curso Técnico de Audiovisuais, em contexto de estágio no Geoparque Litoral de Viana do Castelo | Câmara Municipal de Viana do Castelo.

GeoRadar, a história de vida que inspira novas vidas!

 

Também disponível em https://www.facebook.com/agrupamentodeescolasdesantamariamaior/ https://www.instagram.com/liceu_audiovisuais/?hl=pt

 

Comments closed

Viana do Castelo participa em programa para conservação e valorização do Rio Neiva

No âmbito da Estratégia Municipal para a Conservação da Natureza, linha de ação inscrita na Agenda de Ambiente e Biodiversidade para o quadriénio 2017-2021, a Câmara Municipal de Viana do Castelo associou-se ao Município de Esposende e à Associação Rio Neiva para a comemoração do Dia Nacional da Água, no passado dia 1 de outubro.

A iniciativa, que consistiu na limpeza das margens do rio Neiva, envolveu a participação de alunos das Escolas Básicas de Castelo do Neiva e de Forjães e contou com a colaboração dos Municípios de Esposende, através da Esposende Ambiente (Centro de Educação Ambiental), e de Viana do Castelo, através do CMIA (Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental), e teve o apoio das Juntas de Freguesia de Castelo do Neiva e de Antas.

Esta ação insere-se no âmbito do plano de ação de valorização do rio Neiva, que está a ser desenvolvido conjuntamente por entidades dos dois concelhos. Neste contexto, já estão em curso um conjunto de trabalhos de limpeza e desobstrução do Rio Neiva em pontos-chave, com vista à retirada de resíduos vegetais do leito do rio, em particular troncos e ramos tombados, e que contam com a colaboração dos Bombeiros Municipais de Viana do Castelo e dos Bombeiros Voluntários de Esposende, bem como das Juntas de Freguesia de Antas e Castelo do Neiva. A remoção dos resíduos e a retirada seletiva de material vegetal contribuirá para o normal escoamento daquele curso de água, contribuindo para o seu correto arejamento e por isso melhor produtividade do ecossistema, bem como na salvaguarda das infraestruturas existentes como as pontes de pedra e a minimização de situações de cheia.

Para além destas iniciativas de promoção da literacia científica e de manutenção, e conservação da galeria ripícola, a Câmara Municipal de Viana do Castelo deu início a um processo formal de inventário e caracterização da margem do rio Neiva, em colaboração com as juntas e união de freguesias de Viana do Castelo confrontantes com aquele curso de água, de forma a aferir importantes dados de gestão como o Índice de Qualidade do Bosque Ribeirinho, o estado de conservação das margens fluviais e o cadastro de propriedade.

Em causa está o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Agenda 2030 da ONU, designadamente ODS 11 – Cidades e Comunidades Sustentáveis, ODS 13 – Ação Climática, ODS 15 – Proteger a Vida Terrestre e ODS 17 – Parcerias para a Implementação dos Objetivos de Sustentabilidade.

Fonte: Radio Geice

Comments closed